Data & Insights, Destaques

Marcas melhoram seu approach para torná-lo mais pessoal

26/06/2018

Personalização ainda é um desafio para as marcas. Tonar a comunicação cada vez mais pessoal e menos massificada é uma tendência sem volta.

Tornando-se Pessoal

Um dos principais benefícios de investir em uma estratégia forte baseada em dados é a habilidade de conhecer seus clientes num nível granular.

Por sua vez, isso permite entregar comunicações mais direcionadas, o que gera um ganho exponencial em negócios.

No entanto, a personalização não existe sem desafios. Uma pesquisa global da iProspect sobre personalização com 4.500 pessoas em oito mercados descobriu que, apesar dos consumidores aceitarem mensagens personalizadas, há a necessidade de uma troca clara de valores. Na medida em que a privacidade de dados torna-se mais importante, esperamos que consumidores exijam mais das marcas que entreguem não somente comunicação personalizada, mas comunicação verdadeiramente relevante e contextualizada.

A força da marca continuará a ser importante num mundo personalizado, pois 73% dos consumidores indicam que é provável que eles não respondam a uma mensagem direta de uma marca que ainda não conheçam.

Case Study: Segmentação de clientes da Tchibo

A fabricante de café Tchibo segmentou seu público potencial inicialmente em seis tipos distintos de “bebedores de café” e adotou uma abordagem criativa e exclusiva projetada para atrair cada segmento individualmente. As mensagens são customizadas para cada público, assim como as ofertas e as páginas de destino.

Quão personalizada é a sua personalização?

Agora temos acesso a quantidades quase ilimitadas de dados para entregar comunicação segmentada, mas entender quais níveis de granularidade produzem os melhores resultados e quão práticos são do ponto de vista da mensagem, será cada vez mais importante.

Apesar das inúmeras discussões nos últimos meses sobre o objetivo de atingir o “segmento de um”, para muitos, esse nível de granularidade não será prático ou lucrativo. A chave é começar limitando o nicho que você deseja, depois testando, aprendendo e expandindo, criando segmentos ainda mais granulares com o passar do tempo.

Usando dados de segmentação existentes, as marcas podem então começar a encontrar mais fontes de dados que podem proporcionar um melhor conhecimento do consumidor.

Além disso, as marcas que quiserem investir em níveis maiores de personalização precisarão entender como organizar e aumentar o investimento em conteúdo para construir uma estratégia extremamente personalizada.

Case Study: Microsoft foca em pequenos negócios

Para oferecer às microempresas seu produto Office 365 de forma mais eficiente, a Microsoft usou dados para construir uma estratégia altamente personalizada, segmentando de acordo com tipos de clientes e cenários de compra. Todas as mensagens eram altamente personalizadas, com 44 páginas de destino específicas para cada segmento. Esse nível de personalização de mensagem proporcionou uma redução de custo significativa na aquisição de clientes.

Você pode gostar também

Sem comentários

Responda